Ads Top

Uffaa!!! Essa foi por pouco.

Asteróide quase se chocou com a Terra nesta última segunda-feira, no dia 2/3/2009.

Um asteróide medindo entre 30 e 50 metros acabou de passar por nós numa distância 7 vezes mais próxima que a Lua, brilhando tão forte que era possível vê-lo entre as nuvens. Caso ele tivesse caído no oceano, provocaria um tsunami.

Pouca gente ficou sabendo, mas um asteroide do tamanho de um prédio de 10 andares passou a cerca de 72 mil quilômetros da Terra na segunda-feira (02/03/2009). Pode parecer muita coisa – mas não é. É apenas um quinto da distância entre o nosso planeta e a o dobro Lua, ou da altitude em que orbitam os satélites de comunicação. Detectado apenas dois dias antes, o objeto passou de raspão por nós sem qualquer alarde – mas uma eventual colisão teria provocado uma catástrofe.

Quando o asteroide foi visto pela primeira vez, no sábado, já estava a cerca de 2,4 milhões de quilômetros do planeta. A detecção foi feita pelo Siding Spring Survey, um programa australiano que faz o rastreamento de objetos próximos à Terra. Em seguida, a presença foi confirmada pelo International Astronomical Union Minor Planet Centre (MPC), órgão responsável pela catalogação de objetos no Sistema Solar. O pouco tempo entre a detecção e a passagem expôs a fragilidade dos sistemas de rastreamento existentes.

Batizado de 2009 DD45, o asteroide tem um tamanho estimado entre 21 e 47 metros de diâmetro. Comparado a outros que já passaram pelo planeta, é considerado pequeno pelos especialistas. Mas, para se ter uma ideia do tamanho do estrago que causaria, caso sua trajetória incluísse a Terra, em 1908 uma rocha de mesmo tamanho atingiu a Sibéria com um impacto equivalente ao de mil bombas atômicas – entre 10 e 15 megatons de TNT.

Entre os destroços, 80 milhões de árvores foram arrasadas em uma área de 2 mil quilômetros quadrados perto do Rio Tunguska.

Conforme o coordenador do Laboratório de Astronomia da Faculdade de Física da PUCRS, Délcio Basso, a demora na detecção do asteroide pode estar ligada à sobrecarga no North American Aerospace Defense Command (Norad). O órgão americano é responsável por monitorar uma grande quantidade de objetos que estão em órbita ao redor da Terra. Entre eles, satélites, pedaços de foguetes, outros asteroides e até ferramentas perdidas por astronautas no espaço.

Ainda de acordo com Basso, as chances de o impacto ocorrer em áreas urbanas, no caso de um choque com o nosso planeta, seria relativamente pequeno. Segundo ele, o impacto provavelmente seria na água, que cobre cerca de três quartos da superfície da Terra, ou em áreas não habitadas. Se o meteoro caísse no oceano, um tsunami poderia se formar, atingindo, talvez, o litoral próximo. Apesar da potencial tragédia, o professor da PUCRS afirma que o corpo era pequeno, ou teria sido avistado mais cedo pela grande quantidade de profissionais e amadores que usam telescópios.

Sobre o impacto, Basso reforça que o ângulo de incidência na Terra seria decisivo para o tamanho da calamidade. Se o asteroide viesse rasante, explica, a atmosfera poderia se encarregar, naturalmente, de mandá-lo de volta para o espaço ou incinerá-lo. Uma queda na vertical, por sua vez, acarretaria estragos maiores. A composição do asteroide também influencia, pois, quanto menos denso, menor a potência do impacto.

Tocando o solo, o 2009 DD45 abriria uma cratera gigantesca — e provocaria uma onda de choque capaz de derrubar prédios e produzir incêndios.

Asteróide similar caiu na Terra em 1908

O jornal Sydney Morning Herald diz que se o asteróide estivesse indo na direção de uma região populosa do mundo, nós teríamos tido 24 horas pra agir e evacuar.

Colocando isso em perspectiva, aqui está a lista do io9 dos mais assustadores ataques de asteróides na Terra, esse último não incluído.

Tempo para reação pode ser insuficiente

Tempo para reação pode ser insuficiente
O físico com doutorado em Astrofísica Horacio Dottori, do Departamento de Astronomia do Instituto de Física da UFRGS, explica que existem cerca de 10 mil objetos como o asteroide 2009 DD45 nas proximidades da Terra, mas somente um décimo deles foi localizado.

Segundo o professor, há programas – especialmente nos EUA e na Rússia – para detectar os potencialmente perigosos, por meio da luz do Sol refletida nos objetos. A dificuldade em conter um asteroide se deve, conforme Dottori, à velocidade que atingem. Essas rochas espaciais, segundo ele, têm velocidades relativas à Terra da ordem de algumas dezenas de quilômetros por segundo. Seriam menos de três dias entre a identificação e a colisão – no caso do 2009 DD45, talvez insuficiente para o cálculo da trajetória e a preparação de uma missão para destruí-lo.

–Tivemos sorte – afirma.

Outro problema, caso mísseis nucleares fossem lançados para acertar o asteroide, seria conseguir desviá-lo ou pelo menos deixá-lo em pedaços menores. A tecnologia existe, diz Dottori, mas a pressa para executar a operação talvez atrapalhasse.

Para o professor Délcio Basso, da PUCRS, estamos despreparados para essas situações. Caso fossem lançados mísseis para atingir o asteroide, por exemplo, o impacto seria amenizado – mas a fragmentação da rocha poderia, mesmo assim, provocar danos extensos. No entanto, ainda haveria a chance de os pedaços menores serem destruídos ao entrar na atmosfera.

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.